Noticias

Distribuidoras de energia farão fila para promover a transição energética na América Latina

15 empresas vão partilhar as melhores práticas para se prepararem para o aumento progressivo das instalações de geração distribuída com energias renováveis, carregamento de veículos elétricos e medição inteligente nas redes de distribuição.

A Associação Latino-Americana de Distribuidores de Energia Elétrica (ADELAT) dá passos firmes em sua constituição. Esta organização regional criada em 2021 já confirmou seu Conselho de Administração e iniciou o estabelecimento de sua sede oficial no Peru.

Atualmente, conta com 15 membros de países como: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e Peru. São eles: Adeera, Cosern, EDP Espírito Santo, EDP São Paulo, Enel Ceará, Enel Goiás, Enel Rio de Janeiro, Enel São Paulo, Light, Chilquinta, Enel Chile, Enel Codensa, Electrodunas, Enel Perú e Hidrandina.

Em conversa com a Energía Estratégica, Claudio Bulacio, gerente da Associação de Distribuidores de Energia Elétrica da República Argentina (Adeera), destacou que a Adeera alcançou o cargo de Secretário do Conselho de Administração por meio da representação de seu presidente, Horacio Nadra.

“Por enquanto, nas reuniões virtuais do Conselho de Adelat, das quais a Adeera participa, os temas que serão trabalhados este ano começaram a ser discutidos e o processo de seleção para o diretor executivo da associação está em andamento.”

“No segundo trimestre do ano será o lançamento formal do Adelat. A partir daí, o diretor-executivo formará os grupos de trabalho com a participação das empresas de cada país, priorizando as questões com base no que o conselho de administração ditar”, disse Bulacio.

Esse plano de trabalho envolveria o intercâmbio de melhores práticas e inovações em todas as áreas do setor de distribuição. Entre os ligados à transição energética, Bulacio destacou a geração distribuída, a medição inteligente e a mobilidade elétrica.

Para começar a abordar essas questões este ano, a associação argentina planeja compartilhar, com seus pares latino-americanos, vários estudos e relatórios recentes que interessam discutir.

“Temos muitos trabalhos técnicos, mas há um em particular que finalizamos no final do ano passado que chamamos de «O Futuro da Distribuição de Energia Elétrica» que de alguma forma é nossa visão de como questões como a incorporação da geração distribuída , mobilidade elétrica e medição inteligente em redes para torná-lo um processo sustentável”.

“A ideia é ter uma referência internacional que seja útil para as empresas parceiras, inclusive para os reguladores desses países para o desenho do esquema de incorporação desse tipo de sistema”, concluiu o referente da Adeera.