Skip to content
ADELAT posicionou o papel da distribuição para impulsionar a transição energética na VIII Semana de la Energía

A Associação de Distribuidores de Energia Elétrica da América Latina realizou o Side Event “O papel das distribuidoras de energia elétrica para impulsionar a transição energética na América Latina”, no âmbito da VIII Semana de la Energía, organizada pela OLADE em Montevidéu, Uruguai.

O presidente da ADELAT, David Felipe Acosta Correa; e o diretor de Estudos, Projetos e Informação da OLADE, José Medardo Cadena Mosquera, abriram o encontro, no qual Acosta Correa destacou a importância de se iniciar de forma tempestiva os investimentos necessários para viabilização da transição energética, combinado com a necessidade de se aumentar a resiliência da rede, “cada vez mais necessária face aos fenómenos climáticos extremos” e enumerou alguns dos últimos acontecimentos ocorridos na Europa e no Brasil.

A diretora executiva da ADELAT, Alessandra Amaral, trouxe questões essenciais para repensar os papéis atuais do segmento de distribuição e os macro desafios aos quais é necessário dar uma resposta para avançar em direção às metas de redução de emissões para os próximos anos. 

Amaral mencionou a inovação tecnológica como um ponto chave, pois “a tecnologia muda o nosso comportamento da mesma forma que o nosso comportamento muda a tecnologia, é um círculo virtuoso que se retroalimenta”, disse. Enfatizou na transição de um consumidor “passivo e unidirecional” para um “capacitado, digitalizado, e muito exigente com o serviço de fornecimento de energia elétrica em termos de preço e qualidade,  passando de consumidor a prosumidor”.

Em seguida, o painel, moderado pela Diretora de Gestão do Conhecimento da ADELAT, Larissa Cunha, explorou  os desafios regionais envolvidos no processo de transformação energética expresso em mudanças de consumo em termos de eficiência e eletrificação. Em tal processo, o papel protagônico dos operadores de distribuição deve garantir um abastecimento seguro e confiável, além de dispor de uma infraestrutura que contribua com a integralidade das mudanças econômicas, climáticas, sociais, de qualidade e de cobertura do serviço.

Janina Franco, especialista sénior em Energia do Banco Mundial, sublinhou que “o fundamental está em mudar os paradigmas regulatórios”, além de destacar a importância do “papel do consenso”, enquanto Ariel Yépez-García, gerente do setor de Infraestrutura e Energia no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), catalogou como “chave” o trabalho coordenado junto a agências multilaterais com o objetivo de “ajudar as empresas de distribuição a fechar o círculo com boa regulação, boa gestão e a tomada de decisões políticas corretas”

Marcelo Cassin, engenheiro especialista, vice-presidente de Sustentabilidade Financeira e Desenvolvimento Institucional da CIER e professor da Universidade Nacional de Rosário, aprofundou na qualidade e resiliência do fornecimento. Disse que este aspecto “e o melhoramento contínuo têm que estar acompanhados de investimentos sem precedentes”. Javier San Cristóbal, gerente geral da Administração Nacional de Usinas e Transmissões Elétricas (UTE), focou na digitalização e nas tarifas horárias. Ele contou como a empresa fornece 71% de medição inteligente e espera chegar a 75% até o final deste ano. “Isso nos permite uma gestão muito mais otimizada das estações e redes”, explicou. 

Durante o debate manifestaram acordo sobre pontos-chave para a região, tais como uma regulação adequada com tomada de decisões políticas oportunas, medidas para promover a digitalização e um fornecimento seguro e confiável.

Também participaram do encontro pessoas de renome como Túlio Machado Alves (CIER), Marcelino Madrigal (BID), Gustavo Mejia-Ricart (Ministério de Energia e Minas da República Dominicana) y Oliverio Álvarez Alonso (Deloitte Espanha), consultores e jornalistas, entre outros.

Além disso, o presidente da Associação fez parte do painel “Desafios regulatórios e desenho dos mercados energéticos do futuro”, durante o qual afirmou que “a política e regulação energética da região colocam muita ênfase na mudança de tecnologias de geração, cujo aspecto é legítimo, mas falta um ponto, que é a razão pela qual surgiu a ADELAT. “Para tornar esta transição energética uma realidade e garantir os compromissos indicados para 2030, a distribuição precisa mudar de uma rede unidirecional a uma plataforma”, disse.

Os especialistas que acompanharam o painel enfatizaram a importância de se reforçar a qualidade e flexibilidade da rede, os esquemas de perdas e a resiliência do sistema frente a eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes, de modo a direcionar corretamente os investimentos hoje face aos desafios da eletrificação, resposta da demanda,  e integração das energias renováveis ​​conforme Agenda 2030.

A Semana de la Energía foi um espaço enriquecedor e produtivo, de troca de perspectivas e experiências de diferentes áreas sobre o futuro da distribuição de energia elétrica na América Latina. Foram realizadas reuniões com representantes de outras organizações da região e representantes do governo e de entidades como a Diretora de Eletricidade da Secretaria Nacional de Energia do Panamá, Guadalupe González; e a diretora da ANEEL, Agnes Maria de Aragão da Costa. A ADELAT participou também em espaços de discussão sobre  o papel da Comunicação na transição energética. 

Durante a Semana da Energia participaram presencialmente mais de 1.000 representantes de 50 nacionalidades diferentes. A ADELAT reafirma, assim, o seu compromisso de continuar a dinamizar as conversas em torno da transição energética e a importância da construção de uma linguagem comum entre os atores envolvidos.


*Para mais informações ou comunicados de imprensa, escreva para comunicacion@adelat.com